Aurismar Mazinho Monteiro

Uma pena meramente entusiástica.

Textos


A cor da consciência

A consciência só tem cor poeticamente:
se me sinto livre qual um pássaro, verde, certamente;
se em perigo, em solo áspero, a vermelha se faz presente;
azul, se apaixonado, rindo à toa, contentemente;
se triste, tudo é cinza; se com medo, é escura a mente.
Há outras cores, como branca, amarela, enfim, sabidamente.
Tudo é uma questão de ânimo, e cada um sabe o que sente.


Aurismar Mazinho Monteiro – 20NOV2015
  (Imagem: extraída da Internet – Google)
AURISMAR MAZINHO MONTEIRO
Enviado por AURISMAR MAZINHO MONTEIRO em 20/11/2015
Alterado em 20/11/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.aurismarmonteiro.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras