Aurismar Mazinho Monteiro

Uma pena meramente entusiástica.

Textos


Coração ao mar
Meu coração se lança ao mar toda vez que vou à praia...
Ao longe ele vai buscar companhia sem falha.
Em mergulhos incessantes, nada firme sem parar,
buscando o horizonte, não querendo mais voltar.
A praia não lhe importa, nem sólidos terrenos...
No horizonte estão as portas para o que ele está querendo,
que é tudo que lhe importa: poesia o absorvendo.
Sou poeta e pescador de sentimentos versejados...
escrevo rindo da dor sem deixar a dor de lado...
Então, jogarei a minha rede até o infinito horizontal,
procurarei matar a sede de amor, afastar o mal
que me faz prisioneiro num cárcere descomunal:
ausência do companheiro amor incondicional...
aquele que me entende, me aceita como sou,
não critica, não ofende, não se importa pra onde vou...
apenas me tem e retribui sem querer nada em troca...
assim, em nós tudo flui... Oh, mas estou à matroca!
Bem, ainda não lancei a rede! Continuo com minha sede,
olhando à minha volta... muito azul, branco e verde...
Agora, minha rede vou jogando nas palavras que me ocorrem... 
Com a pena e me deleitando, este poema me socorre... 
E meu coração lançou-se ao mar, estando eu no chão da praia... 
No horizonte foi se inspirar para que este poema saia...
São versos de riso e dor, livres, qual liberto ao vento,
buscando nas rimas o amor preso nos meus pensamentos.
 
Imagem extraída da internet – Google
AURISMAR MAZINHO MONTEIRO
Enviado por AURISMAR MAZINHO MONTEIRO em 07/01/2014
Alterado em 02/02/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.aurismarmonteiro.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras