Aurismar Mazinho Monteiro

Uma pena meramente entusiástica.

Textos


Semana da Pátria: apatias... apátridas... (II)
 
Continuação

     Faz-se mister registrar que era comum, toda semana, cantarmos o Hino Nacional, mediante hasteamento da Bandeira Brasileira. E, da mesma forma, cantarmos o Hino à Bandeira, o Hino da Independência, dentre outros. Hoje, em algumas escolas, sequer se menciona a existência dos hinos cívicos brasileiros. Quando sim, não há tanta ênfase quanto às respectivas letras e significados histórico-sociais... Essa prática deveria ser fomentada, independentemente da ministração de disciplinas como a suprimida e saudosa Educação Moral e Cívica (EMC). Lamenta-se, simplesmente, lamenta-se...     

     Sim, lembro-me de que, quando criança e até mesmo adolescente, eu fazia questão de desfilar pela escola, comemorando a Semana da Pátria. E eu, como muitos jovens da época, me expunha com entusiasmo, com acurado brio. Naqueles tempos, geralmente se desfilava sem demonstrar apatia como sói ocorrer na maioria das pessoas de hoje, nessas efemérides, conforme se tem observado nos últimos anos. Outrora, vislumbrava-se, portanto, um arraigado senso de respeito e esmero na maior parte da população brasileira de então, que, ufanada, participava diretamente, desfilando, ou indiretamente, aplaudindo, incentivando.     
     Nos dias atuais, é lamentável admitir, não poderia ser diferente, pois o amor à Pátria carece de estímulo, de demonstração de exemplo a ser seguido... Embora se saiba que respeito e amor seja uma questão de espírito – vale dizer, essas virtudes encontram-se na seara subjetiva do homem, promanando, portanto, do seu caráter –, há de se admitir que, hodiernamente, os exemplos transmitidos por governantes ao povo – que os elege e, por eles mesmos é traído – são os mais escabrosos possíveis. Por todo o País, só se ouve falar de corrupção! A referência aqui é às três esferas de governo, queridos leitores: Federal, Estadual e Municipal. Os noticiários, quaisquer que sejam os meios de difusão, são cotidianamente infestados de matérias relatando desvios de verbas públicas; falta de decoro parlamentar; fraudes em licitações; escolas sem aulas devido à falta de merenda (que, em muitos casos, não foi adquirida porque a verba pertinente fora desviada), o mesmo se podendo dizer quanto a transporte escolar gerido mediante programas governamentais; hospitais e postos de saúde sem funcionar a contento; demolições de estádios de futebol inteiros para construção de outros novos, quando o mesmo não se faz relativo a escolas, restando, muitas delas, em deplorável estado de conservação; greves em razão de descasos de agentes políticos que não respeitam direitos de classes trabalhadoras; flagrantes desrespeito e desobediência à Constituição e às leis; CPIs que cansam, gastam e nada catam; enfim.
     Não se pretende aqui relacionar todas as ilicitudes de que se tem notícia, até porque é impossível, tal proeza. Entretanto, é perfeitamente possível afirmar que, diante de todo esse quadro a demonstrar verdadeira ausência de patriotismo (cujo principal motivo reside nos mandos e desmandos de quem deveriam, em primeiro plano e em nome do povo, zelar pelo engrandecimento do País, bem assim, incentivar o fortalecimento de amor ao torrão natal), só poderia restar – e resta – a ausência de ânimo do brasileiro, o qual, indubitavelmente, torna-se apático nessas datas cívicas – mas não somente nesses períodos – e, dependendo do ferimento provocado em sua honra, pode, consternado e derruído, intitular-se um apátrida em sua própria Pátria... 
     É cediço que dificilmente tem-se notícia de governo sério, verdadeiramente comprometido com a "res publica". Frise-se: “governo” na acepção mais ampla, referindo-se, portanto, a todos os mandatos eletivos, quais sejam, os de Vereador, Prefeito, Governador, Presidente, Deputado, Senador, bem como quaisquer outros cargos políticos, cujos ocupantes devam zelar pelo bem público e, evidentemente, ser responsabilizados por eventuais atos ilícitos cometidos nas respectivas áreas de atuação, consoante o grau de culpabilidade atribuído ao agente.
     Em assim sendo, sou levado a crer, pois, que o garbo das tropas militares, dos desfiles estudantis e afins não passam de mero cumprimento de ordens. E que, no caso específico dos desfiles de estudantes e afins, a desenvoltura garbosa esteja “justificadamente” ausente.
    Desse jeito, caros leitores, ante a flagrante demonstração de desamor e desrespeito à nação por parte de políticos descompromissados com a honestidade e infiéis aos votos que esperançosos eleitores lhes depositaram, não creio ser descomedido deduzir que, para inúmeros brasileiros, este não é um país para o qual se pode cantar, como outrora se cantava “eu te amo, meu Brasil, eu te amo”. Desse jeito, caros leitores, diferentemente do que se ouvia e se absorvia em tempos idos, para inúmeros brasileiros, este não é um “país que vai pra frente”.
     Saúde e paz.

Aurismar Mazinho Monteiro – 04SET2012

Imagem: Internet - newsrondonia.com.br
AURISMAR MAZINHO MONTEIRO
Enviado por AURISMAR MAZINHO MONTEIRO em 07/09/2012
Alterado em 07/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.aurismarmonteiro.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras