Aurismar Mazinho Monteiro

Uma pena meramente entusiástica.

Textos

Flamância da fome
 

          Sob a sombra do flamboyant espio ao longe uma casa grande. No telhado em flambagem, observo suas seções de flange e, numa delas, uma flâmula de flanela. O vento forte, soprando do norte, batia nela, fazendo-a tremular... Um som vindo do estômago me lembrou que eu ainda não almoçara, desde que havia saído das bandas das caiçaras, para onde havia ido, aventurando-me a desbravar aquelas paragens que sempre me fascinaram. E, sentindo fome, dirigi-me à chácara, onde minha mãe já me esperava para saborear o delicioso almoço que preparara... Eis que, de súbito, meu coração flameja, deixando-me tremelicante: lembrei-me do sonho que tivera na noite passada; bem da cena em que um caçador faminto, flagelante, munindo-se de um flame, com olhos flamantes, sangrava friamente um flamingo, já fraquejando, vítima da flagrante e fremente fome daquele homem de fuça fulminante.

AURISMAR MAZINHO MONTEIRO
Enviado por AURISMAR MAZINHO MONTEIRO em 23/05/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.aurismarmonteiro.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras