Aurismar Mazinho Monteiro

Uma pena meramente entusiástica.

Textos


Sôfrego

Balança o mar tocando a praia,
indo de encontro às duras pedras...
Um manto branco se espraia,
trazendo a mim tua face eterna.

Ondas retornam ao grande mar,
que se agita estridente...
Resta desfeito o espraiar,
mas eterno em minha mente.

Não é frágil meu pensar,
que no teu rosto faz morada,
pois tenho-o no peito a palpitar,
dia e noite, doce amada.

Vem correndo me amar!
Não demores, que frágil sou!
Faze como as águas de volta ao mar,
que tão sôfrego as abraçou.



Imagem: Google – ecoviagem.uol.com.br
AURISMAR MAZINHO MONTEIRO
Enviado por AURISMAR MAZINHO MONTEIRO em 04/05/2012
Alterado em 23/11/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.aurismarmonteiro.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras