Aurismar Mazinho Monteiro

Uma pena meramente entusiástica.

Textos


Amigos, ali é outro cajueiro!

Alô, meus queridos recantistas e demais leitores!

O relato a seguir tem cunho meramente informativo e objetiva, primordialmente, responder ao que têm me perguntado, além de, confesso – por favor, permitam-me, meus queridos -, divulgar prazerosamente algo sobre minha querida Natal.

Há alguns dias publiquei um pequeníssimo poema, mais precisamente um pensamento disposto em quatro versos, o qual intitulei “LEVEZA POÉTICA”, alusivamente ao Dia Nacional da Poesia, http://www.aurismarmonteiro.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=3553418. Até aí, nada de mais! Só que, meus amigos, em vista da imagem utilizada para ilustrar o texto, que é uma foto minha pendurado no galho de um cajueiro, muito me perguntaram (pessoalmente; por meio de alguns comentários junto ao referido texto; e, principalmente, por e-mails) se aquela árvore da foto é o Cajueiro de Pirangi (o cajueiro gigante plantado numa área praiana de nome Pirangi, bem próxima a Natal). Como muitos sabem, o Cajueiro de Pirangi é o maior cajueiro do mundo, e sua copa abrange uma área de aproximadamente 8.500 metros quadrados. Sendo a maior árvore frutífera do planeta – registrado também como o maior ser vivo frutífero do planeta -, anualmente produz cerca de 80 mil cajus. Esse "patrimônio" (o respectivo tombo ainda se encontra em fase de processamento) do Estado do Rio Grande do Norte passou a constar no “Guinness Book of Records” (atual Guinness World Records) no ano de 1994, quando sua copa abrangia apenas 2 mil metros quadrados de área. Registre-se que, apesar de o tombamento ainda não ter se efetivado, ou seja, não obstante o ato pertinente não ter sido devidamente formalizado pelas autoridades governamentais, o cajueiro recebe a proteção do poder público e da sociedade, particularmente da associação dos moradores responsável pela respectiva guarda. Em vista disso e diante das peculiaridades com que se reveste a secular árvore, não é permitido que as pessoas subam nos seus galhos, nem que lhe arranquem frutos, como há alguns anos faziam.

Pois bem, visando aos devidos esclarecimentos, declaro que a árvore da mencionada foto não é o aludido ser vivo. Trata-se, na verdade, de um outro cajueiro plantado no Parque das Dunas, que fica aqui bem pertinho da minha casa. Só para conhecimento, meus queridos, o Parque das Dunas é o segundo maior parque urbano do país, e se afigura como um programa cada vez mais adotado pelos turistas visitantes. O Parque possui uma área de 1.172,8 hectares, com 8,5 km de comprimento e uma largura média de 2 km, contendo trilhas que são percorridas com acompanhamento de guias, pistas de cooper e caminhadas. Lá encontramos várias alternativas de lazer para crianças e adultos, além de um restaurante e lanchonete.

Bem a propósito, amigos, seguem abaixo alguns links pelos quais os senhores, caso tenham interesse, podem conhecer um pouco mais sobre o maior cajueiro do mundo, o Cajueiro de Pirangi.

http://www.omaiorcajueirodomundo.com/ocajueiro.html

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2011/12/23/maior-cajueiro-do-mundo-tera-galhos-suspensos-para-garantir-sobrevivencia-e-liberar-transito-em-parnamirim-rn.htm

Por fim, meus queridos, esperando que os esclarecimentos supra estejam a contento, e mais ainda, que os links dispostos apresentem alguma valia, recebam, com meu fraterno abraço, desejos de que tenham saúde e paz, todos.

Imagem: Google 

AURISMAR MAZINHO MONTEIRO
Enviado por AURISMAR MAZINHO MONTEIRO em 22/03/2012
Alterado em 23/03/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.aurismarmonteiro.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras