Aurismar Mazinho Monteiro

Uma pena meramente entusiástica.

Textos


 

Cântico à poesia

 

Não deixarei minha pena estagnada

ante a ausência da verve de escrever.

Versejarei, mesmo que em rimas misturadas;

pior seria se eu não soubesse ler!

 

É minha alma que rege a minha pena,

que me dirige a cantos e encantos,

traçando letras - até mesmo por novenas -

que muitas vezes são simples versos brancos.

 

Mesmo que sejam meros versos brancos,

ou rimas pobres, internas, ricas, alternadas,

enfim, não deixarei de mostrar, jamais, meu canto,

eis que decanto com a alma apaixonada.

 

Exalto a poesia, por isso aqui a decantação;

mesmo sem verve, como dito no começo.

Mas toda ela se conduz com a emoção

que me envolve, e sem a qual eu só pereço.

 

Imagem: Google – pretensoscoloquios.zip.net

 

 

AURISMAR MAZINHO MONTEIRO
Enviado por AURISMAR MAZINHO MONTEIRO em 13/02/2012
Alterado em 13/02/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.aurismarmonteiro.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras