Aurismar Mazinho Monteiro

Uma pena meramente entusiástica.

Textos


Bem depressa, vem me ver

Vem me ver sob esta Lua
a cintilar em prata agora.
Minh'alma ainda é tua
desde os tempos de outrora.

Há no céu nuvens espessas
- vasto campo de algodão...
Minha boca amarga e seca,
diz doer meu coração.

Onde estás, que não vens?
Que fazes mundo afora?
Sabe, escuta bem,
meu peito o teu implora.

És pra mim o acalanto
que abranda o meu sofrer.
Na solidão, em fundo pranto,
eu suplico, vem me ver.

As estrelas no firmamento
não mais têm esplendor,
figuram opacamente,
como eu, sem teu amor.

Tão triste também a Lua,
se escondeu no algodoal.
Nesta noite, eterna, escura,
tua ausência é meu mal.

Ouve meus lamentos
e as lágrimas do meu ser.
Não me inflijas mais tormento,
bem depressa, vem me ver.

 
Imagem: Google - fotolog.com
AURISMAR MAZINHO MONTEIRO
Enviado por AURISMAR MAZINHO MONTEIRO em 03/06/2011
Alterado em 18/04/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.aurismarmonteiro.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras