Aurismar Mazinho Monteiro

Uma pena meramente entusiástica.

Textos


Campestre sinfonia
 
Vejo um pássaro no fio,
enquanto a chuva faz um rio
lá em baixo no asfalto,
que espio daqui do alto.

A visão é panorâmica,
uma paisagem bucólica.
No parapeito de cerâmica,
minh'alma quase melancólica...

 
Minha casa é um silêncio,
pois que sozinho estou,
olhando a manhã cinzenta
sem o sol que não despontou.
 
De novo para o fio
convirjo meu olhar.
O passarinho sente frio,
a plumagem a eriçar.

O silêncio é interrompido
por uma doce melodia:
é o canto daquela ave
que chalreia em sintonia...

 
Da janela em que estou,
panorama em detalhes,
vi, foi-se o pássaro. Voou
do fio para as árvores.

Desfalcando a sinfonia,
deixou-me à janela,
no silêncio, olhando a chuva
e o rio a correr com ela.


 
Imagem: Google - pessoal.utfpr.edu.br
AURISMAR MAZINHO MONTEIRO
Enviado por AURISMAR MAZINHO MONTEIRO em 13/04/2011
Alterado em 06/02/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.aurismarmonteiro.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras