Aurismar Mazinho Monteiro

Uma pena meramente entusiástica.

Textos


Marinheiro 

Quando criança,
ser marinheiro eu sonhava.
Crescendo, esse desejo eu fomentava...
Numa noite, longa noite a sono solto,
marinheiro sonhei que eu era,
suspendendo de um porto,
num imponente navio de guerra.
Ao despertar, o dia repontava,
era manhã, início de primavera.
Crescendo, ia... E, crescido,
para o dever me preparava.
Meu Deus!
Quão ansioso aquele sonho me fizera!
Ser marinheiro sonhei,
um bom marinheiro eu fui.
Por muitos mares naveguei.
Mares verdes, límpidos e azuis;
em muitos nortes, tantos rumos,
muitos suis...
Em longas noites de boas luas,
nalgumas sem luar...
Desafiei mares revoltos
com meu navio a trepidar,
cumprindo a derrota traçada,
no rumo certo a aproar.
Demandei belos horizontes
que teimavam em provocar
minha náutica, minha proa
que, incisiva, revidava
cortando as ondas sem cessar.
E tenazmente eu navegava...
Vencendo tempestades,
impetuosas vagas
que se esmoreciam num espraiar.
Sim, eu naveguei,
contra o vento perpassando,
estrelas e noites testemunhando,
até o dia despontar.
O frio me açoitando,
o vento, a marulhada...
Vivenciei tardes cinzentas,
com chuvas e trovoadas.
Dias claros também houve,
com o lumeeiro a deaurar,
espargindo sua magia e
a calmaria fazendo reinar;
daqueles momentos em que se ouve
das aves, o chalrear,
em bando, monte delas,
num belo e lúdico esvoaçar.
Por sorte, por vezes, era assim:
meu navio em calmaria,
flutuando até o atracar.
No porto, mais seguro eu me fazia,
mas logo, logo outra tormenta
meu peito vinha açoitar:
era a saudade da minha amada,
que sozinha em nossa casa,
ficara triste a chorar,
longe, bem distante do meu barco,
que dentro em breve, iria revoltar...
Meu Deus!
Quão ansioso, então, eu me fazia!
Queria depressa singrar os mares,
rumar de volta à base,
ir para os braços dela.
Isso, o que me importava!
Que fossem bramosos mares!
Somente pensava nela,
que a me esperar estava.
Só queria chegar em casa
e ficar lá dentro dela,
nos braços de quem me amava...
E não havia coisa mais bela!
... ... ... 
Cessada a quimérica viagem,
cumprida a naval missão,
marinho agora em certeiro rumo,
ao porto mais seguro:
minha amada, seu coração.

Imagem: Google - taniamariadesouza.blogspot.com

AURISMAR MAZINHO MONTEIRO
Enviado por AURISMAR MAZINHO MONTEIRO em 04/04/2011
Alterado em 12/12/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (www.aurismarmonteiro.recantodasletras.com.br).


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras