Aurismar Mazinho Monteiro

Uma pena meramente entusiástica.

Textos


08 de março – a ELAS, por serem ELA

Para cada íntimo existe um alguém,
junto ao indivíduo, perto ou além.
Se não mais, solene e inconteste, digo: existiu.
Que não se olvide! Ora, já se induz!
Quem duvide, não há!
Cá estou para quem me desafiar.
Apregoarei defensivo: quem te deu à luz?
Vê-se, evidente, de quem estou a falar.
Refiro-me à MULHER, que da humanidade é essência.
Desde o berço, na mais tenra puerícia,
até mesmo na adultícia, vencida a adolescência...
E nas vidas masculinas... Ah! nós, os homens...
Homens! deixemos de ser aguerridos!
Reconheçamos, DELAS, o retumbante bramido!
HOJE e sempre, para sempre e desde sempre,
o charme feminino tem nos vencido.
Há mulheres que vêm, mulheres que se vão;
muitas, até, arrancadas do torrão.
Pelas ruas, avenidas, esquinas e casas também.
Daqui, dali, daquém, de além...
Há mulheres que ficam - nem vão, nem vêm;
que se prendem a algo, a nada ou a alguém.
Bonitas ou feias, gordas ou magras,
negras ou brancas, altas ou baixas...
Homens, sem ELAS não vivemos! Isso já basta!
Todas são belas e delas as formosas almas.
Decididas nos escolhem, com braços nos envolvem...
Corações maternais que nos acolhem,
com desvelo nos acalentam...
Conselhos que nos conduzem,
olhos e lábios que nos velam; suas palavras ensinam.
Mulheres que trabalham, e em casa as esperam;
mulheres em casa, onde o trabalho fazem.
Mulheres que amam e são amadas também...
Femininas que são, nossas senhoras, sem desdém.
Impossível delimitar, são todas essenciais!
Homens, rendamo-nos! Sem ELAS, jamais!
Mulheres mães, amadas, amantes...
A amiga, a estranha, a jovem estudante...
Têm, todas, a força acachapante,
irresistível aos homens, que se quedam galantes.
De togada à secretária, faxineira ou garçonete;
cozinheira ou jornalista, a dádiva se repete.
Assessora, telefonista, professora, ou analista;
a melancólica meretriz... Enfim, DELAS não se esquece.
O que sejam! Mas, MULHER a todo instante.
De todos, os olhos e corações encantam.
Dos másculos, fomentam o desejo lancinante,
deixando-lhes a virilidade languescida...
Em toda a História, desde as mais remotas civilizações,
com ou sem civilidade, de gerações a gerações,
estão elas - na memória ou esquecidas...
É de suas entranhas, o estopim para a vida.
Da remota senzala ao gabinete,
mera empregada, executiva, ou do lar,
seja qualquer mulher, até as do mundo a perambular.
Concebe-se sua figura. Quem há de duvidar?
Repito: cá estou para quem me desafiar.
Sexo frágil, somos nós, machos, que vivemos a matracar.
Deixemos logo de alardeio, chega de matreirar!
A ELAS devemos honras, vamos todos nos prostrar.
Seja mãe, seja esposa, avó ou namorada,
tia, prima, vizinha ou conhecida,
irmã, noiva, amiga ou cunhada...
Aqui falei eu, singelamente, tenham dó;
tímido, poematicamente em verso livre,
que mais parece verso de pé quebrado,
numa poética insipiente, mas de uma sinceridade só.
Contudo, não me calo, que me chamem desassisado!
Especial, o dia 08 de março,
que a ELA é bem dedicado.
Homenagem deveras reconhecida,
justo preito, merecidos aplausos.
Às mulheres recorramos, machos.
Falei e está falado!

* Imagem: Google - reflexoesepoemas.com.br


AURISMAR MAZINHO MONTEIRO
Enviado por AURISMAR MAZINHO MONTEIRO em 18/03/2011
Alterado em 05/03/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.aurismarmonteiro.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras